Araxá, 05 de Dezembro 2019
Clima Agora
°

Pesquisar

Você está em

Notícias

Saúde e Educação

Publicado em:13/10/2014
:: Saúde Pública em Alerta :: Secretaria de Saúde confirma primeiro caso de febre chikungunya em Minas Gerais
A febre chikungunya foi identificada pela primeira vez na Tanzânia, no início de 1952

A vítima tem 48 anos e vive em Matozinhos. Foto Divulgação

O primeiro caso de febre chikungunya transmitido em Minas foi confirmado nesta segunda-feira pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), em coletiva na Cidade Administrativa. A doença foi confirmada por exames feitos na Fundação Ezequiel Dias (Funed).Trata-se de uma mulher de 48 anos, que vive em Matozinhos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ela não teve o nome revelado.

A vítima sentiu os primeiros sintomas da doença no dia 27 de agosto deste ano. A mulher está bem e relatou que sentiu dores de baixa intensidade nas articulações dos ombros, quadril e joelhos. Outros municípios mineiros também têm casos suspeitos da febre: Belo Horizonte, Contagem, Montes Claros, Coronel Fabriciano e Viçosa. Foram descartados casos suspeitos em Mato Verde, Itaúna, Alfenas e Santo Antônio do Monte.

Para evitar a transmissão do vírus é fundamental que as pessoas reforcem as medidas de eliminação dos criadouros dos mosquitos. As medidas são as mesmas para o controle da dengue.

A partir desta terça-feira (14), a SES-MG enviará uma equipe de força-tarefa para Matozinhos, onde haverá fumacê na mesma data, e a capacitação de profissionais médicos.

Histórico da doença

A febre chikungunya foi identificada pela primeira vez na Tanzânia, no início de 1952, e desde então têm sido relatados surtos periódicos da doença na Ásia e no continente africano.

De acordo com o estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS), o nome chikungunya tem sua origem em uma palavra em maconde (língua dos povos macondes que habitam o norte de Moçambique e o sul da Tanzânia) que significa “aqueles que se dobram”, descrevendo a aparência encurvada dos pacientes que se contorcem por causa das dores intensas nas articulações.

Sintomas

O vírus causador da doença é o CHIKV, do gênero Alphavirus, que provoca febre alta, conjuntivite, dor e inchaço nas articulações (especialmente nas mãos e nos pés), além do aparecimento de pequenas pústulas na pele (exantema) e de outros sintomas característicos da virose como dor de cabeça, dor muscular, vômito e fadiga.

Em alguns casos, a dor nas articulações é tão forte que chega a impedir os movimentos e pode perdurar por meses depois que a febre vai embora.

A febre chikungunya, no entanto, costuma ter menos complicações que a dengue e não há registro de forma de manifestação hemorrágica da doença, sendo as mortes relacionadas à infecção por CHIKV bastante incomuns.

Transmissão

São dois os principais vetores do CHIKV: os mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus, muito comuns nas áreas tropicais, mas também presentes em latitudes mais temperadas.

Após contato com o vírus, os mosquitos tornam-se capazes de transmitir o vírus em cerca de dez dias a um hospedeiro suscetível, tal como o ser humano. Este, depois de ser picado pelo mosquito infectado com o vírus, leva de três a sete dias para começar a sentir os sintomas da doença. Passados os sintomas, o paciente deixa de transmitir a doença.

Para se ter uma ideia da capacidade de propagação da doença, em 2006, um surto da epidemia atingiu a Índia ocasionando mais de 1,5 milhões de casos. De acordo com a OMS, as autoridades locais de saúde devem ficar alertas, pois dada a distribuição dos vetores (mosquitos) pelas Américas, toda a região se torna muito suscetível à introdução e à propagação do vírus.

Tratamento

Com sintomas muito parecidos aos de outras doenças, a confirmação do diagnóstico é feito a partir da análise clínica de amostras de sangue.

O tratamento contra a febre chikungunya é sintomático, ou seja, analgésicos e antitérmicos, sempre sob supervisão médica, são indicados para aliviar os sintomas. Medidas como beber bastante água e guardar repouso também ajudam na recuperação.

Anti-inflamatórios e até fisioterapia podem ser indicados ao paciente se a dor nas articulações persistir mesmo depois da febre ter cessado.

Prevenção

Como não existe ainda uma vacina contra a febre chikungunya, o melhor meio de prevenir a doença é combater a proliferação dos mosquitos transmissores da doença. No caso do Aedes aegypti, cuja ocorrência é mais urbana, deve-se evitar o acúmulo de lixo e objetos que possam acumular água parada para servir de criadouro do mosquito.

Já no caso do Aedes albopictus, o combate é dificultado por ele viver e se reproduzir em ambientes com maior cobertura vegetal, como matas e áreas suburbanas e por se alimentar, ao contrário do Aedes aegypti, com certa frequência do sangue de outros animais vertebrados, como cachorros, gatos e bois.

Por isso, recomenda-se que qualquer caso suspeito de infecção pelo CHIKV seja notificado em até 24 horas para os órgãos oficiais dos serviços de saúde, para que sejam identificados e isolados os focos de transmissão da doença.

C/ Rádio Itatiaia